Basílica de Santa Maria Maior

 

Chegamos em Roma no final do dia 24/07 e logo contratamos um passeio na receção do hotel onde nos hospedamos na via Nazionale, no bairro (colina) Quirinale, quando vimos a Fontana di Trevi.

No dia seguinte, logo após o café da manhã, caminhamos até esta Basílica, e em seguida pegamos o metrô para o Vaticano, pois tínhamos os ingressos adquiridos via internet.

basilica-de-santa-maria-maior2.jpg

Basílica de Santa Maria Maggiore, também conhecida como Basílica de Nossa Senhora das Neves ou Basílica Liberiana, uma das quatro Basílicas Patriarcais de Roma, ergue-se majestosa no alto do Esquilino, a maior e mais alta das sete colinas de Roma. Na Roma Imperial o Esquilino  (vizinho ao Qurinale) era o bairro mais pobre da cidade e hoje, há dois milênios, ainda é um dos bairros mais pobres de Roma.

A Basílica  de Santa Maria Maior foi fundada em torno do ano 420 d.C., pelo Papa Libério. Conta a lenda que, no século IV,  este papa teve um sonho em que a Virgem Maria lhe disse que nevaria e pediu para ele construir uma igreja em sua honra onde a  neve caísse. Quando nevou no Monte Esquilino, no dia 5 de agosto de 356, em pleno escaldante verão romano o papa lançou as fundações da Basílica. Porém, foi  construída entre 432 e 440 d. C. durante o Pontificado de Sisto III.

De todas as grandiosas igrejas romanas, Santa Maria apresenta a melhor mescla de estilos arquitetônicos diferentes: as fachadas, as capelas e domos são barrocos, o teto é renascentista e a torre é românica.

 A torre, com 75 metros, é a mais alta entre as existentes em Roma.

O seu interior ainda apresenta a estrutura medieval original.

Ela mantém as três naves originais com colunas, e acima das colunas 36 painéis de raros mosaicos do século V ilustram histórias do Antigo Testamento.

O magnífico teto dourado foi presente de Alexandre Bórgia VI, no fim do século XV. 

Provavelmente o ouro utilizado foi o primeiro trazido da América por Colombo.

O seu suntuoso interior em púrpura e dourado abriga o baldacchino (dossel sobre o altar), que é feito de pórfiro (rocha vulcânica antiga) e folhas de bronze.

Num nível abaixo do baldaquino vê-se o Túmulo do Cardeal Rodriguez, datado de 1299, onde exibe-se uma magnífica escultura do padre em mármore.

A Basílica de Santa Maria Maior está a uma distância média de 1,7 km da Fontana di Trevi, 2,2 km do Pantheon, 1,5 km da Basílica de São Pedro e 1,6 km da Piazza Venezia